Perspectiva Decolonial

Veja essa imagem em: folhapress.folha.com.br

A era da distância: os impactos políticos da conexão

Uma multidão de celulares dá o tom da cena e destaca que as conexões virtuais assumem, em detrimento do encontro, o protagonismo da nova era que se anuncia. A presença é mediada pela tela, o olhar é amplificado, conectado, ganha

mãos levantadas

Quem são os verdadeiros inimigos?

Há uma constante tentativa de fazer, por meio de malabarismos retóricos e espantalhos políticos, com que os grupos alvejados pelas estruturas discriminatórias sejam percebidos como algozes, iminentemente perigosos e indignos de estar nos limites da humanidade. Essa prática ocorre através

creative-african-american-bearded-guy-with-afro-hairstyle-glasses-red-hoodie-creating-new-song-stand

Uma Existência Maior que Novembro

Em breve estaremos no mês da Consciência Negra. Data que é política e extremamente relevante para que se combata as violências sistêmicas direcionadas aos sujeitos negros, em nome da manutenção de uma memória colonial. Memória que se beneficia da destruição

Mãe-Bernadete

Mãe Bernadete, Presente!

Foram vinte e dois tiros! Vinte e dois tiros que marcam a execução de Mãe Bernadete, Ialorixá e líder quilombola.  O seu extermínio traduz o interesse brutal que se interpõe contra corpos lidos à distância da norma. Os graus de

corpo-público

É preciso quebrar os pactos que constroem o corpo público

Compreendemos que o corpo público é resultado de um conjunto de operações políticas que desidratam profundamente a humanidade de sujeitos. As rotas de precarização são pavimentadas pelo interesse destrutivo de construir imagens falidas, destroçadas e compostas como justificativas para que

lgbtqiapn+

A colonialidade da sexualidade como recurso necropolítico

Para Achille Mbembe, importante pensador contemporâneo, as políticas de extermínio revelam o interesse sistêmico pela precarização dos corpos, em nome dos ideais normativos que sustentam — atualizando as técnicas coloniais — uma noção fantasmagórica do outro. A alteridade, nesse caso,

lgbt-pride-flag-blue-sky-background

Orgulho enquanto política da vida

Ter orgulho significa compreender, a despeito das lógicas, valores e moralidades amplamente discriminatórias, que a humanidade de pessoas LGBTQIAP+ é inegociável. É recalibrar a percepção sobre si mesmo, no mundo, junto aos outros, rompendo com as lógicas de aniquilamento que

black-lives-matter-concept-with-people-faces

A raça como técnica: objetivação, recreação e esvaziamento

A raça opera na construção de uma realidade política ancorada no interesse em criar barreiras radicais entre a humanidade e a desumanidade. As suas implicações são produtos de articulações tecnopolíticas, históricas e ideológicas que tencionam, de forma sistemática, usurpar a

Anúncio
Últimas Colunas
Anúncio
Espaço Acadêmico
Anúncio
Anúncio