A Miscigenação Pacífica Não Existiu – Uma Crítica à Luz da Ideologia Freyriana

É muito conhecida e também muito criticada a vertente ideológica de Gilberto Freyre.1 Apesar de não ter como negar sua contribuição para com as ciências sociais, é preciso analisar seus argumentos e refutá-los quando necessário. É preciso sanar os erros interpretativos contido em suas obras, mais precisamente, Casa-grande & senzala.2

Como já discutido anteriormente3 é evidente o viés racial errôneo nas afirmações Freyrianas sobre a miscigenação, que posteriormente foi uma das bases ideológicas que fundamentou o mito da democracia racial. Assim, o escritor menciona uma pacífica e benéfica “mistura” entre as raças. O grande problema de Casa-grande e senzala, portanto, é a relação direta que Freyre estabelece entre a atração sexual e a tolerância racial, como se estas fossem grandes pacifistas no período escravista.4

O professor e historiador Ronaldo Vainfas destaca que para Freyre o africano é portador de cultura que irriga a religião, a culinária, a linguagem, os sentimentos e tudo o mais na sociedade colonial. O mesmo se pode dizer do índio, embora em menor escala.5 Neste sentido, é por constatar que os portugueses se sentiram sexualmente atraídos por índias, negras e mulatas que Freyre deduz, equivocadamente, a ausência de preconceito racial entre estes colonizadores.6

É possível perceber que não se nega em seus escritos o estado de luta e resiliência escravista, entretanto, menciona a miscigenação como um ato consentido entre as duas raças. As próprias palavras de Freyre o evidenciam:

até certo ponto tão grande influência do clima amolecedor, atuaram sobre o caráter português, entesando-o, as condições sempre tensas e vibráteis de contato humano entre a Europa e a África; o constante estado de guerra (que entretanto não excluiu nunca a miscigenação nem a atração sexual entre as duas raças, muito menos o intercurso entre as duas culturas), a atividade guerreira, que se compensava do intenso esforço militar relaxando-se, após a vitória, sobre o trabalho agrícola e industrial dos cativos de guerra, sobre a escravidão ou a semi-escravidão dos vencidos. Hegemonias e subserviências essas que não se perpetuavam.7 (Grifos nossos)

O chamado intercurso entre as raças nada mais foi que a força imposta sob as mulheres negras8 e indígenas escravizadas.

O autor ainda atribui que a miscigenação praticada no Brasil corrigiu a distância social, entre os mundos, a casa-grande e a mata tropical. Esta afirmação é completamente equivocada se analisarmos o contexto de abusos sofridos pelos escravos em razão da posição de poder que se encontravam seus senhores. Laurentino Gomes, concluiu que o tom depreciativo se reflete na historiografia tradicional, que jamais se preocupou em denunciar em toda a sua crueza o assédio sexual, o estupro e outras formas de violências nas relações entre escravas e escravizadores.9

Para Gomes, Freyre ainda destaca e afirma que a mulher negra e indígena aparecem invariavelmente como sexualmente disponíveis, as “que nos iniciaram no amor físico e nos transmitiu, ao ranger da cama de vento, a primeira sensação completa de homem”, como afirmava a respeito da chegada dos colonizadores europeus ao Brasil: As mulheres eram as primeiras a se entregarem aos brancos, as mais ardentes indo esfregar-se nas pernas desses que supunham deuses. Davam-se ao europeu por um pente ou um caco de espelho.10 Afirmação completamente equivocada.

É possível perceber que a descrição do contexto escravista pode variar de acordo com quem o interpreta e a época. As crenças sociais daquele que reproduz discurso, evidencia alguns dos problemas sociais que pretendemos findar até a extinção, como por exemplo a forma como o corpo preto e indígena se encontra em disputa na sociedade atual. Por isso, é preciso desmistificar as narrativas e evidenciar que todo e qualquer poder posto sobre o corpo escravizado neste sentido era uma tentativa de controle social e não um mero consentimento.

____________________

Olívia Maria Silva Felício

 

Referências

________________________________________

1. FREYRE, Gilberto. 1900-1987. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Gilberto Freyre; apresentação de Femando Henrique Cardoso. – 481 ed. fav. -:- São Paulo: Global, 2003. – (Introdução à história da sociedade patriarcal no Brasil; 1)Fundação Gilberto Freyre, 2003 Recife-Pernambuco-Brasil 48″ edição, 2003, Global Editora.

2. Essa obra foi escrita à luz dos anos 1900 a 1987, um período marcado por divisões raciais significativas em razão da abolição da escravatura.

3. e refiro aos textos anteriormente publicados na coluna Decolonialidade Jurídica, nos textos de ‘Decolonizar o Direito é Tensionar a Modernidade’ e “Representatividade Institucional Importa?” que retrataram um pouco da ideologia da miscigenação pacífica. Entretanto, fragmentos da mesma crítica podem ser encontrados nos outros textos publicados. Disponíveis em: https://bit.ly/3EXAHWS.

4. VAINFAS, Ronaldo. Colonização, miscigenação e questão racial: notas sobre equívocos e tabus da historiografia brasileira. Revista Tempo, 8 agosto de 1999, p. 8.

5. VAINFAS, Ronaldo. Colonização, miscigenação e questão racial: notas sobre equívocos e tabus da historiografia brasileira. Revista Tempo, 8 agosto de 1999, p. 9.

6. VAINFAS, Ronaldo. Colonização, miscigenação e questão racial: notas sobre equívocos e tabus da historiografia brasileira. Revista Tempo, 8 agosto de 1999, p. 9.

7. VAINFAS, Ronaldo. Colonização, miscigenação e questão racial: notas sobre equívocos e tabus da historiografia brasileira. Revista Tempo, 8 agosto de 1999, p. 31.

8. A menção de Negras nesta colocação tem o sentido de comunidade de pessoas pretas e pardas, ou miscigenados.

9. GOMES, Laurentino. Escravidão – Volume 2 – Da corrida do ouro em Minas Gerais até a chegada da corte de dom João ao Brasil. 2021. 1ª Ed. Globo Livros.

10. GOMES, Laurentino. Escravidão – Volume 2 – Da corrida do ouro em Minas Gerais até a chegada da corte de dom João ao Brasil. 2021. 1ª Ed. Globo Livros.

Compartilhe nas Redes Sociais
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Continue Lendo

O amor tem preço?

A família tem um papel fundamental nos cuidados e estímulos necessários para o desenvolvimento na primeira infância. Mesmo os teóricos da Psicologia que discordam fundamentalmente

Leia Mais »
Anúncio